Atletas e treinadores repercutem derrota de José Aldo

Atletas e treinadores repercutem derrota de José Aldo

A derrota do brasileiro José Aldo para o havaiano Max Holloway, no UFC 218, em Detroit, Estados Unidos, ainda repercute entre os atletas de MMA e treinadores de Sorocaba, São Paulo. A maioria entende que Aldo deveria ter usado mais o jogo de chão já que o adversário tem como ponto forte a trocação.

Professor de wrestling e integrante da Team Maldonado, Everton Gori, o Alemão, é um que não entende o motivo que levou o brasileiro a aceitar a luta em pé. “Por que ele não usou o wrestling que treina e pratica?”, questiona. Por outro lado, acredita que Aldo perdeu simplesmente porque o havaiano é melhor.

Fábio Maldonado, ex-atleta do UFC e detentor do cinturão da categoria meio-pesado do Fight Nights Global, é outro que acredita que o brasileiro deveria ter tentado o chão ao invés de ficar chutando a perna de Holloway. “É difícil ficar chutando a perna de um adversário maior que você”, diz. “O Aldo tem um bom chão e deveria ter tentado este jogo.”

Única lutadora do Estado de São Paulo que lutou no UFC, Éricka Almeida crê que o fato de José Aldo ter sido chamado de última hora para a revanche o atrapalhou. “Na técnica os dois se equiparam, mas o Holloway tem maior poder de absorver os golpes”, explica, lembrando do upper bem encaixado que ele simplesmente aplaudiu. “O Aldo jamais pode ser criticado ou desmerecido.”

Líder de uma das principais equipes de MMA da região, Herman Gutierrez também viu o havaiano como superior no combate. “Ele (Max Holloway) trabalhou bem os jabs na distância e foi melhor, por isso saiu mais uma vez vitorioso”, comenta. “Mas o Aldo é monstro e vai voltar ainda mais forte.”

Foto: mmamania.com