Anderson Silva: amor ou ódio

Anderson Silva: amor ou ódio

Roberto Freitas

Não há como negar que a figura do nosso Anderson “Spider” Silva desperta paixões antagônicas. Nenhum outro lutador tem a capacidade de nos deixar com alterações cardíacas e psicológicas tão fortes como ele. É uma relação perigosa de amor e de ódio que faz valer o ingresso.

Admito que pensei muitas coisas ao final da luta, que havia muito mais sentimentos de revolta e raiva que de admiração. Adjetivos como: “o Anderson é muito burro”, “incompetente”, “não quis ganhar”, “mereceu perder”, “arrogante”, “perdeu pra ele mesmo”, e outros que são proibidos descrever nesta coluna ficaram em minha mente por algumas horas.

Considerar que perder esta luta não passava nem pela cabeça do filho do Michael Bisping, imagina pra nós amantes do MMA e conhecedores da “manteiga” que enfrentou o nosso campeão. Mas nada que um dia após o outro para analisarmos friamente a luta e descobrirmos que não é bem assim. Temos de juntar um quebra-cabeça com muitas informações e muitas delas impossíveis de saber até o final da luta. Alguns pontos que considero que diretamente influenciaram a derrota do Spider:

1) Informações pós-luta dizem que Anderson Silva sentiu sua canela logo no primeiro round e isso abalou sua confiança e fez com que ele não se movimentasse da forma que sempre fez;

2) Anderson não acreditou que tivesse perdido três rounds e não quis arriscar o famoso “tudo ou nada” a procura do nocaute, caiu na armadilha perigosa de deixar o resultado nas mãos dos juízes;

3) Michael Bisping mostrou que melhorou muito sua condição física e psicológica. Em muitos momentos levou perigo para o Anderson e isso não estava nos planos do Spider;

4) O tempo de afastamento e todos os problemas enfrentados por Anderson Silva nesses últimos anos tirou um pouco a sua confiança e a sua facilidade de achar a distância correta da luta logo nos primeiros round.

Muito mais que analisar suas brincadeiras e suas irresponsabilidades dentro do octógono, temos de considerar que tudo isso é Anderson Silva. Ele sempre foi assim e continuará sendo, faz parte da sua estratégia colocar seus adversários em uma situação de fragilidade e atacá-los.

Apesar da derrota polêmica, uma coisa HOJE tenho certeza: Anderson não está morto, longe disso, nesta luta ele mostrou que continua sendo um lutador de múltiplas ferramentas e perigosíssimo. Vamos torcer para que o UFC dê a ele a chance de uma revanche para que possamos sentir novamente essa emoção que poucos conseguem despertar em seus espectadores.

Para finalizar, vamos ficar com o desabafo do brasileiro postado no Instagram.

Jamais confunda derrotas com fracasso, nem vitórias com sucesso. Na vida de um campeão sempre haverá algumas derrotas, assim como na vida de um perdedor sempre haverá vitórias. A diferença é que, enquanto os campeões crescem nas derrotas, os perdedores se acomodam nas vitórias”, afirmou Anderson Silva, completando com um agradecimento aos brasileiros. “Obrigado a todos os brasileiros pela torcida”.

Foto: MMA Fighting

ROBERTO FREITAS é formado em direito, pós-graduado em gestão pública, diretor de empreendedorismo da Prefeitura de Sorocaba, presidente do Iesa (Instituto de Educação Sócio Ambiental) palestrante, faixa marrom em jiu-jítsu, colunista de MMA do jornal Bom Dia de Sorocaba, colunista de MMA da Rádio Ipanema de Sorocaba no quadro Planeta MMA e fã de carteirinha do esporte que mais cresce no mundo: o MMA. Twitter: @freitasbjj